A Iconologia de Panofsky

A história da arte, mesmo sendo uma disciplina nova, é bastante rica em abordagens e métodos. A iconologia de Panofsky é, no dizer de Hans Belting (historiador da arte cujas ideias discutiremos em outro texto), um dos mais bem sucedidos métodos de pesquisa da história da arte no século XX. Panofsky nasceu em 1892, em Hannover. Foi aluno de Warburg (outro importante nome da história da arte). Fugindo dos nazistas (Panofsky era judeu), mudou-se para os EUA, onde lecionou em Princeton, Harvard e na Universidade de Nova Iorque. Pela sua erudição, ele é realmente um modelo de historiador da arte.

Falando de modo bem simples e resumido, a iconologia é um método de pesquisa da história da arte criada no século XX por Panofsky a partir da iconografia. A iconografia, por sua vez, é um antigo método da disciplina história da arte, que cuida da descrição de elementos visuais mais ou menos persistentes nas obras de arte, com o objetivo de explicar o significado que uma cultura atribui aos elementos visuais que produz, o que confere grande grau de objetividade à pesquisa das imagens. De certo modo, a iconografia é aquela disciplina que diferencia o historiador da arte de uma cartomante por exemplo. Uma cartomante vira a carta e começa a “ler” o que quer na imagem que se lhe apresenta. O historiador da arte vê uma imagem e, de imediato, impede a si mesmo de “ler” na imagem o que quer, ou seja, atribuir à imagem significados que ela não possui, recorrendo para tal aos métodos de investigação histórica.

Panofsky dizia que o que diferencia a iconografia da iconologia por ele criada era que a primeira é um método analítico, a segunda, sintético. O que ele quis dizer com isto? Muito simples, Panofsky entende que a iconografia é uma prática de erudição por excelência, trata-se de catalogar, examinar e descrever a ocorrência de certos elementos visuais, é uma disciplina, acima de tudo, descritiva. A iconologia, no entanto, não é uma disciplina descritiva, mas um método histórico que tem por objetivo fazer a síntese dos dados obtidos por uma análise iconográfica. Não são todas as obras de arte que se prestam à análise iconológica, creio que ela inclusive não tem nenhuma utilidade para a pesquisa da arte contemporânea, mas nas obras de arte cujo conteúdo é a cultura do mundo antigo, a mitologia ou a religião, a iconologia é, sem dúvida, um dos melhores métodos de pesquisa oferecidos pela história da arte. Enquanto a iconografia se prestaria à explicitação do tema de uma obra de arte, a iconologia seria capaz de fornecer o significado deste tema, isto é, construir um discurso capaz de apresentar a história daquele tema.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: